jump to navigation

AUTENTICIDADE- IDENTIDADE – DIFERENÇA julho 24, 2008

Posted by christietristao in Uncategorized.
4 comments

Identidade- conjunto de elementos que permitem saber quem uma pessoa é;

Autenticidade- qualidade do que é autêntico, ou seja, verdadeiro; veracidade.

Diferença-qualidade de diferente; dissemelhança; desigualdade;
Texto – Mt 16:13-19

Jesus perguntou: Quem diz o povo ser o filho do Homem?
Pedro responde: Tu és o Cristo, o filho do Deus vivo.
Jesus afirma: Bem aventurado és…meu Pai te revelou…Também eu te digo que tu és Pedro.

• Conhecer a Jesus (ter a revelação de quem Ele é), resulta em conhecer quem você é Nele também.
• Eu não posso funcionar no lugar do outro. 1 Co 12:12-27
• A comparação é um dos grandes problemas que nos impedem de prosseguir. Ele é melhor do que eu? O que é realmente ser o melhor? As vezes nós focamos em apenas uma área da nossa vida, e nos esquecemos que somos seres integrais e temos diferentes áreas na nossa vida.
• É importante olhar para os referenciais e ser estimulado a crescer. Jesus veio e tomou forma de homem para nos mostrar que “tem jeito”. Porque ele foi o melhor? Ele era o mais bonito? Ele era o mais conhecido? Ele era o mais popular?
• A excelência é o resultado da busca e o cumprimento da vontade de Deus em nós, porque segundo a palavra de Deus a vontade do Senhor é “Boa, perfeita e agradável.”
• Nós alcançamos a excelência quando caminhamos em autenticidade, no centro da vontade de Deus, respeitando uns aos outros, valorizando cada um e estando pronto para receber de Deus através da vida do outro que é diferente de mim. UNIDADE.
• Um novo momento está por vir e a intensidade, o andamento, o ritmo e a duração do que Deus vai fazer vai ser determinada por nós mesmos. Porque?
• Deus está mexendo nas estruturas para trazer mais força e fundamento para a nova “onda”.

 O que temos aprendido com a história? Os avivamentos passados? Em que temos falhado?
1. Um grande problema é o individualismo- Deus começa a agir através de você e a partir daí, você pensa que é indispensável ou insubstituível.
2. Utilizar a unção para se tornar visto. O alvo é Jesus!!!!!!
3. Necessidade de aprovação.
4. Passamos a não ter tempo para relacionamentos extraordinários
(pessoas que te edificam). O que gera o ISOLAMENTO.
5. A revelação de Deus vem para o corpo, e não somente para parte dele.
6. Somos reino, no qual o único rei é Jesus. O que é o reino de Deus? O domínio ou o governo dele sendo estabelecido em nossa vida e através de nós.
7. Impérios individuais- quando focamos em nós mesmos deixamos de ser a expressão de Jesus para os outros e um sintoma disto é que formamos pessoas dependentes de nós. Tudo precisa estar focado em Jesus o nosso papel é o de apontar pra Jesus e inspirar as pessoas a ter fome e sede por Ele e buscá-lo em todo o tempo. Ex: em casa, no trabalho, na igreja, enfim não somente nas conferências e etc… O SECRETO.

• Existem princípios que nos auxiliam em permanecer e experimentar profundamente o que Deus tem para a igreja.
1. Precisamos aprender a honrar os relacionamentos, pois, somos uma família de muitos filhos semelhantes a Jesus.
2. Precisamos também honrar os nossos pais (naturais e espirituais). Este mandamento vem com bênçãos.

Christie Tristão.

Anúncios

Paternidade de Deus julho 14, 2008

Posted by christietristao in Uncategorized.
8 comments

 

A palavra de Deus é muito clara a respeito da importância da paternidade. Deus quer chamar a nossa atenção para a paternidade.
A maioria das promessas é para pais e filhos, e o reino de Deus funciona de Pai para filho. Algo tem sido perdido ao longo das gerações pela quebra deste princípio, e um dos sinais dos últimos tempos está ligado a restauração desta aliança. Ml 4:5-6, Lc 1:17.

Eli – 1 Samuel 2:22-34
Zadoque – Ezequiel 44:15-16; Ezequiel 48:11

1. As dificuldades decorrentes da falta de pai
1.1 Falta de identidade
1.2 Desvio de rota
1.3 Falta de limites (sem proteção)
1.4 Falta de propósito
1.5 Imaturidade
2. Algumas questões que não estão sendo respondidas hoje
2.1 Quem sou eu?
2.2 Para onde eu vou?
2.3 Como eu vou?
2.4 Qual é o propósito?
3. O que acontece quando a ordem de pai para filho é quebrada
3.1 Entrega da herança antes do tempo (gr) propheteuo
3.2 Desligamento
3.3 Desperdiçou os seus bens
3.4 Começou a passar necessidade
3.5 Foi viver com os porcos (animais considerados imundos)
3.6 Arrependeu-se
3.7 Nasceu ali um coração de filho
3.8 Disposição para servir
3.9 Reconciliação
3.10 Sandálias novas – homem livre, pois, os escravos não usavam calçados
3.11 Vestes novas – identidade
3.12 Anel – autoridade
A ordem de pai e filho é a base de todo o ministério no Velho Testamento e no Novo Testamento. A ordem do ministério de acordo com a Palavra de Deus é sempre de pai para filho, mas é uma ordem do Espírito, portanto não necessita de gerações biológicas. Os mesmos princípios aplicados à paternidade natural ou biológica são aplicados à paternidade espiritual.
• Moisés – Josué  (Nm 27:15-20; Dt 34:9)
• Samuel – Saul (1 Sm 10:12)
• Samuel – Davi  (1 Sm 16:13)
• Elias – Eliseu (2 Re 2:12)
• Paulo – Timóteo (1 Tm 1:2)
• Paulo – Tito (Tt 1:4)

4. O papel do Pai
4.1 Dar nome ao filho – Lc 1:13
4.2 Transferência de um legado, unção – 1 Cr 25
4.3 Autoridade para abençoar ou amaldiçoar – Gn 49
4.4 Proteger, trazer segurança, traçar limites – 1 Co 4:14-16
4.5 Instruir, ensinar – Dt 6:6,7
4.6 Corrigir e disciplinar – Hb 12:5:12; , Pv 13:24; Pv 13:12
4.7 Deixar uma herança – Gn 4:20-21; Gn 26:3
4.8 Ser um exemplo – 1 Co 4:15,16; 1 Co 11:1
4.9 Amar – Jo 3:35; Jo 5:20
5. Paternidade de Deus
Deus quer ter um relacionamento de pai com cada um de nós. Existem vários níveis de relacionamento com Deus, mas o mais sublime é o relacionamento de pai e filho. Muitas vezes transferimos o nosso relacionamento com o pai (biológico) para Deus, trazendo na bagagem: feridas, frustrações, rejeição, assim construindo uma grande barreira.
O relacionamento de Deus Pai com o Seu Filho Jesus é o nosso grande exemplo a seguir. Para que fôssemos recebidos como filhos o Pai enviou a Jesus em nosso resgate, Ele fez tudo isto por amor.   (Jo 3:16, Gl 4:4,5)
5.1 Recebemos uma nova identidade – 2 Co 5:17; Rm 8:16
5.2 Já não somos servos e sim filhos – Gl 4:1-7; Rm 8:15
5.3 Recebemos herança de filho – Rm 8:17
5.4 Recebemos direção – Rm 8:14
6. Coração de Filho – Jo 8:26-29; Jo 4:34
6.1 Submisso
6.2 Dependente
6.3 Servo
6.4 Disposto
6.5 Ensinável
A compreensão da paternidade de Deus vai gerar uma geração de pais para os órfãos destes dias. O derramamento do Espírito tem vindo sobre a igreja para que haja a conversão do coração dos pais aos filhos e dos filhos aos pais.
1. Até onde estou disposto a ser filho?
2. Até onde estou disposto a ser um pai para esta geração?
                                                                                                                                                                                                                                                             Christie Tristão.
                                                                                            Ministério Asas da adoração

Adoração e a Palavra julho 7, 2008

Posted by christietristao in Uncategorized.
8 comments

“Aquele, entretanto, que guarda a sua palavra, nele verdadeiramente, tem sido aperfeiçoado o amor de Deus. Nisto sabemos que estamos nele: aquele que diz que permanece nele, esse deve também andar assim como ele andou.” I João 2:5-6

         Deus é e deve ser a essência da adoração. Adoração é a resposta à revelação de Deus a nós. Essa resposta é proporcional ao grau de conhecimento que temos de Deus, isto é, quanto mais O conhecemos mais adoração prestamos a Ele. É estranho dizer que adoramos algo ou alguém sem conhecer o objeto da nossa adoração. Deus é o “objeto” da nossa adoração, e para que prestemos uma verdadeira adoração a Ele é imprescindível que conheçamos o Seu caráter, os Seus pensamentos, os Seus propósitos, as Suas ações.
         Se a nossa adoração é a resposta ao conhecimento que temos, ao revelar de Deus para nós, como então conhecer mais este Deus? Através de Sua Palavra, pois Ele é a Palavra! (Jo. 1.1). Como expressar na adoração a Sua grandeza e Sua força se não temos conhecimento dos Seus feitos nas histórias narradas nas Escrituras? Sem um conhecimento vivo da Palavra de Deus não poderemos dizer, expressar na nossa adoração o amor, a fidelidade, a misericórdia, a bondade, a justiça e tudo mais que faz parte do caráter de Deus. A verdadeira adoração é conseqüência do conhecimento e da revelação que temos do Deus a quem nós adoramos. Não O adoramos para conhecê-lO, mas O conhecemos, por isso O adoramos. 
         É necessário que haja uma compreensão espiritual, ou seja, um discernimento da realidade de Deus, não simplesmente pela letra, mas pelo vivificar do espírito (Jo. 7.15 / II Cor. 3.6). A letra mata, mas o Espírito vivifica. O véu que nos separava de Deus e do Seu conhecimento já foi retirado e hoje temos livre acesso ao entendimento e revelação de Deus pelo espírito (II Cor. 3.16 / I Cor. 2.14).
         A meditação da Palavra deve fazer parte da nossa vida diária (Sl. 119.15,48). Ao lermos a Palavra, devemos orar para que o Espírito gere amor em nosso ser e nos mostre Deus no texto em que estamos meditando (Sl. 119.18, 19, 26, 27, 73, 144 e 169 / Ef. 1.17-19). A Bíblia não é um livro qualquer, ela é um registro de quem Deus é e de como Ele age. Por isso a nossa leitura, a nossa meditação da Palavra deve ir além da letra. O Espírito pode nos revelar na Palavra de Deus o Deus da Palavra. A nossa meditação diária deve se transformar em um encontro com Deus.
         A partir do momento então, que temos esta revelação, este conhecimento de Deus na leitura da Palavra, esta Palavra que é viva, vai começar a ter uma poderosa influência sobre nossas vidas, gerando assim mudança em nossa mente e coração. São várias as formas de influência da Palavra sobre nós:

•        A Palavra é luz (Sl. 119.105).
•        A Palavra é cura (Sl. 107.20).
•        A Palavra nos fortalece contra o pecado (Sl. 119.11).
•        A Palavra é reta (Sl. 33.4).
•        A Palavra é pura e escudo (Pv. 30).
•        A Palavra é eterna (Is. 40.8 / Mc. 13.31).
•        A Palavra é alimento (Mt. 4.4 / I Tm. 4.6).
•        A Palavra gera fé (Rm. 10.17).
•        A Palavra é a verdade (Jo. 8.31-32 / Jo. 17.17).
•        A Palavra nos limpa; purifica (Jo. 15.3 / Ef. 5.36).
•        A Palavra nos santifica (Jo. 17.17).
•        A Palavra nos regenera. Fomos regenerados pela Palavra (I Pe. 1.23).

         A Palavra é de suma importância na vida de um adorador, pois ela é o fundamento, o alicerce da nossa adoração. Ela deve ser para um adorador a sua fonte de inspiração na expressão de adoração ao seu Deus, seja em palavras cantadas ou faladas, gestos, danças e etc. Deus é espírito e importa que O adoremos em espírito e em verdade. A Palavra de Deus é a verdade que se extravasou de Sua própria boca e ficou registrada para toda a eternidade. Então, se quisermos adorá-lO em verdade devemos estar cheios da Sua Palavra, cheios de Deus! 

         “Habite ricamente em vós a palavra de Cristo, instruí-vos e aconselhai-vos mutuamente em toda a sabedoria, louvando a Deus com salmos, e hinos, e cânticos espirituais, com gratidão em vosso coração. E tudo o que fizerdes, seja em palavra, seja em ação, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai.” Gl. 3.16-17 
                                                                                                            

 
                                                                                                                                       Christie Tristão.
                                                                                                                                       Min. Asas da Adoração.